Falta de chips nas montadoras deve perdurar até 2022, diz CEO da Stellantis

A falta de componentes eletrônicos para montadoras é um problema que ocorre em todo planeta e deve perdurar até o 2º semestre de 2022, avalia Antonio Filosa, presidente da Stellantis para a América do Sul. O grupo é formado pela fusão da Fiat Chrysler com a Peugeot-Citröen, que criou a 4ª maior companhia automobilística do mundo.

“Quase todas as montadoras estão tendo que cortar a produção. Aqui no Brasil isso também”, afirmou Filosa.

A escassez de chips é resultado do desequilíbrio que a pandemia provocou nas cadeias globais de produção. A procura por notebookssmartphones e tablets, por exemplo, aumentou consideravelmente em 2020. Com o aquecimento da economia em velocidade melhor que o previsto, a demanda por microprocessadores subiu em ritmo forte e os fabricantes dos itens não estão dando conta.

Italiano, Filosa fala português com fluência e deu entrevista ao Poder360 em 10 de junho de 2021, por videoconferência. Assista abaixo (42min31s):

MIX DE CARROS ELÉTRICOS E FLEX

O presidente da Stellantis avalia que, no futuro, o Brasil terá um mix de carros elétricos, híbridos e flex. Segundo ele, a eletrificação já é uma realidade muito forte na Europa, na China e começou a se expandir na América do Norte. “No Brasil, o mercado de carros elétricos terá um certo atraso que a gente estima de 4 a 6 anos. A partir de 2026, 2027 a gente entende que o mercado começa a crescer de uma forma robusta”.

Enquanto isso, o executivo aposta no desenvolvimento de motores de alta eficiência para o uso do etanol. O Brasil já tem uma infraestrutura para o uso de carros movidos a etanol, o que barateia os custos.

Segundo Filosa, o uso do combustível é uma alternativa sustentável até a consolidação de carros elétricos e híbridos. Cita que, do plantio da cana-de-açúcar até a utilização do motor, o flex tem quase a mesma neutralidade de emissão de CO2 que um motor elétrico.

“O que eu estou querendo dizer com isso? Não veremos no Brasil 100% de carros elétricos e híbridos. A quantidade desses veículos vai aumentar a partir de 2026 e 2027, mas haverá sempre uma parcela importante de carros com motores flex”, afirmou.

A Stellantis espera lançar até o final deste ano 4 modelos elétricos/híbridos no Brasil. Será o Fiat 500e, o Peugeot 208 e-GT e novidades da Jeep e da Citroën. “Vamos começar a testar o mercado brasileiro”, declarou. 

EXPANSÃO DAS MARCAS

Filosa disse que a meta da companhia é reformular as marcas Peugeot e Citroën para aumentar a penetração no mercado brasileiro.

Atualmente, a Stellantis é líder no Brasil, mas o resultado é puxado pelas marcas Fiat e Jeep. De janeiro a maio, o Fiat Strada foi o veículo mais emplacado do grupo e do país. Entre os 10 mais vendidos no Brasil, destacam-se os Fiat ArgoMobi e Toro e os Jeep Renegade e Compass.

“A Fiat é líder no mercado brasileiro, assim como é líder da marca na América Latina como um todo. A Jeep é líder no mercado dos SUVs –um segmento em franca expansão. Essas duas estão crescendo de forma robusta há 3 anos”, afirmou.

“É inegável uma tendência de incremento dos SUVs. Nós, como Jeep, aproveitamos muito essa tendência.”

“As marcas Peugeot e Citroën, ao contrário, no Brasil, tiveram uma deterioração na participação de mercado muito severa nos últimos 5 anos. Mas, já este ano, estão crescendo”. Até o final de 2020, elas tinham, juntas, menos de 2% de participação no setor.

LANÇAMENTOS EM 2021

Para 2021, a Stellantis prepara uma série de lançamentos. “Já lançamos esse ano a nova Toro, o novo Jeep Compass“.

“Para o resto do ano, temos o lançamento do novo SUV da Fiat, cujo nome foi escolhido recentemente por uma votação digital de 380 mil apaixonados pela marca: o Fiat Pulse.O veículo foi apresentado ao público no dia da final do BBB (Big Brother Brasil), em 4 de maio. A campeã do reality, Juliette Freire, levou um modelo para para casa.

Há mais novidades na fila. “Temos o lançamento do SUV mais premium da Jeep, cujo nome foi revelado recentemente, o Jeep Commander.

RECUPERAÇÃO DO MERCADO

O presidente da montadora avalia que o mercado deve crescer em 2021 na comparação com 2020 –ano bastante impactado pelos efeitos econômicos da pandemia.

“O mercado no Brasil em 2021 vai terminar mais ou menos com 2,4 milhões de unidades, ante 1,8 milhões de unidades em 2020. É um crescimento expressivo”, afirma.

Os números de 2021, no entanto, devem ficar abaixo do nível de 2019, antes da pandemia. “Significa que a retomada da indústria não chegou ainda aonde deveria e tem potencial”.

DESAFIO DA INDÚSTRIA

Filosa reforça que a alta carga de impostos sobre as empresas e uma infraestrutura deficitária são os maiores entraves para a competitividade na produção de automóveis no país.

“As nossas fábricas no Brasil são idênticas às fábricas que a Stellantis tem na Europa, nos Estados Unidos ou na Ásia. Como fábrica, como processos industriais, como qualificação da mão de obra, a competitividade da fábrica é idêntica ou até melhor as vezes que as fábricas que a gente tem lá fora. O problema é tudo que tem no entorno”.

ABERTURA COMERCIAL

Indagado sobre o que ele acha da abertura comercial no Mercosul, Filosa respondeu que uma flexibilização da economia é “seguramente positiva para todos os setores”, desde que seja bem planejada a aliada a reformas econômicas que incentivem a produtividade do país.

Guedes, que já chamou o bloco criado em 1991 de “armadilha” para o Brasil, busca agora uma abertura do Mercosul por meio de reduções tarifárias. O presidente da Argentina, Alberto Fernández, quer uma abertura gradual, protegendo, inclusive, o setor automotivo.

Filosa concorda. “Se for acelerada demais ou abrupta, teríamos um efeito contrário: desindustrialização. Ou seja, os investimentos previstos para o Brasil migrariam para outros mercados onde o setor produtivo é mais competitivo –tipicamente o México, países asiáticos e assim por diante”, afirmou.

“Uma abertura de mercado gradual e bem planejada é seguramente positiva para todos os setores […] Isso facilita a circulação de equipamentos, investimentos, tecnologia e também de competência. Tudo vira mais interessante, tudo vira mais globalizado.

POTENCIAL DO MERCADO

Mesmo com a escassez de semicondutores, o executivo relata que o setor automobilístico tem potencial de crescimento para os próximos anos. Ele cita os mercados asiáticos como uma região onde será possível aumentar o market share.

Segundo Filosa, a Indonésia, o Vietnã, a Malásia e o Camboja –países que têm centenas de milhões de habitantes– estão entrando agora na 1ª fase de motorização, ou seja, grande parte da população está adquirindo o 1º carro. Já os Estados Unidos e a Europa são regiões onde há um mercado de reposição.

O executivo diz que o mercado de aplicativos não vem para diminuir a demanda por carros –pelo contrário. “Os aplicativos, no começo, vêm para aumentar a demanda. Por exemplo, você tem um carro e, por causa das restrições, usou Uber ou outro aplicativo. Você não expressou só a demanda do seu carro, uma unidade, e sim a demanda para outros carros também”, afirmou.

STELLANTIS NO BRASIL

Criada em 2021, a Stellantis é o grupo automotivo formado a partir da fusão da montadora ítalo-americana Fiat Chrysler Automobiles com a montadora francesa PSA Group.

A unificação formou a 4ª maior fabricante de veículos do mundo, atrás somente da alemã Volkswagen, da japonesa Toyota, e da aliança Renault-Nissan.

O nome tem origem no verbo latino “stello”. Significa “iluminar com estrelas”.

A gigante reúne 14 marcas, como Fiat, Chrysler, Jeep, Alfa Romeo, Peugeot, Citroën e Maserati.

“A Stellantis nasceu na 2ª metade de janeiro. E, desde então, ela é protagonista. Seja no continente sul-americano, seja no Brasil. No Brasil, por exemplo, estamos com um market share de 31%, realizado basicamente pelas marcas Fiat, Jeep, Peugeot-Citroën e, de forma menor, a Ram”, disse Filosa.

“Nós já somos 26.000 funcionários na América do Sul. A grandíssima maioria deles no Brasil. Temos uma importante equipe na Argentina e equipes menores em outros países. Precisamos considerar que temos 5 fábricas de veículos, motores e transmissores”.

Em seu 1º trimestre de operações, a Stellantis contabilizou receita líquida de € 34,3 bilhões, alta de 14% em relação ao resultado combinado dos grupos FCA e PSA no mesmo período de 2020. As vendas somaram 1,47 milhão de unidades, aumento de 11% frente ao mesmo período do ano passado. Eis a íntegra (48 KB).

QUEM É ANTONIO FILOSA

Antonio Filosa tem 48 anos. Nasceu em Nápoles, na Itália.

É formado em engenharia pelo Instituto Politécnico de Milão e em gestão na Fundação Dom Cabral.

Atua na Fiat desde 1999. Já ocupou diversos cargos na mesma empresa na Espanha, nos Estados Unidos, na Itália e na Argentina.

Desde 2005, atua no Brasil. Em 2006 começou a trabalhar na planta da Fiat em Betim (MG), onde exerceu os cargos de gerente de Logística Interna, de Planejamento Estratégico e de Compras, além de diretor-adjunto de Manufatura.

Foi diretor de Compras para a América Latina, diretor-geral da FCA Argentina e presidente da FCA para a América Latina até janeiro de 2021, quando foi constituída a Stellantis.

A partir da fusão global da FCA com a PSA Peugeot-Citroën, Filosa passou a comandar o novo grupo na região.

Fonte: Poder 360

Translate »
WhatsApp chat