Vender carro no Brasil dá prejuízo a fabricantes e lucro a locadoras

Com mercado retraído, linhas ociosas e investimentos cada vez maiores, fabricantes amargam bilhões de déficit e viram reféns das vendas diretas.

Quando vemos modelos compactos como Chevrolet Onix e Hyundai HB20 próximos a R$ 80 mil e outros de porte ligeiramente maior, como Honda HR-V e Toyota Corolla, sendo oferecidos sempre acima de R$ 100 mil, logo vem a reflexão inevitável: o Brasil é paraíso para a indústria automotiva em termos de lucro por unidade vendida.

Mas, acredite se quiser, nos últimos anos essa não tem sido a realidade. A forte retração econômica vivida entre 2014 e 2016, as limitações para exportação e a pressão por investimentos em novos produtos têm deixado as fabricantes com prejuízo. E bilionário.

Foi-se o tempo (especialmente no fim dos anos 2000) em que as marcas de carro remetiam bilhões de dólares de lucro às matrizes no exterior, ao mesmo tempo em que recebiam investimentos muito inferiores, na casa dos milhões.

A realidade se inverteu, e de maneira drástica (veja gráfico mais abaixo).

Segundo dados do Banco Central, em 2008 a indústria automotiva instalada no país enviou US$ 5,812 bilhões em lucros para o exterior, recebendo US$ 964 milhões em investimentos.

Dez anos mais tarde, as remessas ficaram em US$ 516 milhões, ao mesmo tempo em que as matrizes injetaram US$ 4,523 bilhões nas filiais brasileiras. Ou seja: saímos de um superávit de quase US$ 5 bilhões para um déficit de US$ 4 bilhões.

Para 2019 as perspectivas não estão muito melhores, visto que as remessas entre janeiro e setembro ficaram em meros US$ 313 milhões, com boas chances de que fechem o ano abaixo de US$ 500 milhões.

Quer saber mais? Acesse https://quatrorodas.abril.com.br/noticias/vender-carro-no-brasil-da-prejuizo-a-fabricantes-e-lucro-a-locadoras/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »
WhatsApp chat