Pequenos empresários brasileiros não têm acesso a crédito

Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto argumenta que há crédito disponível, mas a dura realidade é que os pequenos empresários continuam de mãos vazias

Os bancos anunciaram linhas de crédito para socorrer pequenos e médios empresários na crise do coronavírus, mas não tem sido fácil conseguir os recursos. De acordo com um estudo do Sebrae e da Fundação Getulio Vargas (FGV), 86% dos empreendedores que buscaram empréstimos tiveram seus pedidos negados.

Empresários relatam as dificuldades impostas pelas instituições. “Procurei três bancos e cada um veio com uma história diferente”, diz Marco Borotini, dono de uma rede de lavanderias. “O primeiro queria meu imóvel como garantia, o segundo cobrou juros que considerei abusivos e o terceiro está há um mês analisando o pedido. Dinheiro que é bom, nada.”

Na semana passada, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, afirmou que as críticas são injustificadas: “Um mito disseminado é que os bancos estão empoçando tudo, não estão emprestando. Isso não é verdade”. Campos Neto argumenta que há crédito disponível, mas a dura realidade é que os pequenos empresários continuam de mãos vazias.

Bolsa de Nova York reabre pregão físico

A Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) voltou a ter pregões físicos. A sala de negociações fechou em 23 de março – pela primeira vez em 200 anos – por causa do agravamento da pandemia nos Estados Unidos. Agora o movimento frenético dos operadores trocando preços de ações será retomado.

A NYSE é um caso único no mundo, um símbolo de resistência à nova era. Não é de hoje que os pregões eletrônicos dominam os mercados globais. Em São Paulo, a antiga Bovespa deixou de ter pregão físico em 2005.

Aluguel de carros desaba 90%

Poucos setores foram tão afetados pela crise do coronavírus quanto o de aluguel de carros. Segundo a Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla), as locações diárias caíram 90% desde o início da pandemia. Já o aluguel para motoristas de aplicativos recuou 80%. Pior para as pequenas locadoras, que estão paradas há 70 dias. Para sobreviver, muitas delas venderam parte de suas frotas. Mas até as grandes sofrem: nos Estados Unidos, a Hertz entrou com pedido de recuperação judicial.

Piora da imagem do Brasil afeta negócios

A instabilidade política, a crise entre os poderes e o avanço do coronavírus afetam a imagem do Brasil no exterior. Não à toa, em 2020 os investidores estrangeiros retiraram R$ 77 bilhões da B3, a Bolsa de Valores de São Paulo. Até o agronegócio, setor que continua a gerar bons resultados, teme a piora da reputação do país no cenário internacional, o que se deve também ao crescente desmatamento da Amazônia. Na Europa, há movimentos que pregam o boicote a produtos brasileiros.

 

FONTE: Estado de Minas

Translate »
WhatsApp chat