Rent a car para pessoas jurídicas, crescimento já

rent

Conforme os números do setor de locação de automóveis divulgados no Anuário ABLA 2014, 23% da frota de veículos do setor foi utilizada para locação diária, destinada ao turismo de negócios. Trata-se do rent a car para as pessoas jurídicas, um nicho que tem potencial para as locadoras interessadas em crescer com sustentabilidade.
Para atuar e se desenvolver nesse mercado é fundamental que o(a) empresário(a) do setor tenha sempre em mente a importância das características de sua frota. “É impossível trabalhar bem no aluguel diário, principalmente para pessoas jurídicas, sem uma boa frota de veículos com ar-condicionado”, adianta Eládio Paniagua Jr., do Conselho Fiscal da ABLA.
Segundo ele, o ar-condicionado passou a ser uma exigência de praticamente todos os clientes do rent a car, mas ganha ainda mais significado em relação aos clientes corporativos. São diretores, gerentes, supervisores e prestadores de serviço que têm de ter um cuidado ainda maior com sua própria postura e apresentação, pois estão utilizando o automóvel para o trabalho.
“Ninguém quer correr o risco de chegar a uma reunião, a uma feira de negócios ou a uma convenção com as roupas suadas e amassadas”, explica Eládio. Assim, o sentimento de mercado é que, em se tratando de locação diária para pessoas jurídicas, a (pequena) diferença entre as tarifas dos veículos básicos e médios não tem sido um impedimento para o aumento de demanda por automóveis que venham equipados com o ar.
E isso não é uma contradição. Ou seja, hoje em dia ter disponíveis para o público corporativo somente os veículos básicos pode significar a perda do cliente. E, por outro lado, ter na frota os automóveis mais completos, mesmo a uma tarifa superior à do modelo básico, pode ser o melhor caminho para fidelizar o público corporativo.
Conforme Eládio, da ABLA, também nesse nicho de mercado ter clientes fiéis é a chave para o sucesso. Isso porque o “tíquete médio” das locações diárias para clientes corporativos tem sido de cinco dias, podendo chegar até a 15 dias com o veículo locado. Além disso, outro fator positivo para as locadoras interessadas em crescer nesse mercado é que a locação para o turismo de negócios depende menos da sazonalidade. “Enquanto o turismo de lazer experimenta picos de demanda entre dezembro e fevereiro, a locação diária para empresas se mantem forte e estável durante todo o restante do ano”, afirma o conselheiro da ABLA.
Ao mesmo tempo, o presidente do Conselho Nacional da ABLA, Paulo Nemer, lembra que em função da Copa do Mundo FIFA, esse ano de 2014 se tornou atípico para as locadoras que trabalham com a locação diária para pessoas jurídicas. O turismo de negócios experimentou uma forte retração nos meses de junho e julho. “Em função da Copa, praticamente não tivemos feiras de negócios, eventos corporativos e convenções de trabalho”, completa Nemer.
Fonte: Revista Locação ABLA

Translate »