Quanto custa manter um carro por ano?

Captura de Tela 2015-09-15 às 10.49.01 AM
Um carro para uso pessoal traz conforto, facilidades e a sensação de que se locomover é mais fácil. Quando somados todos os gastos que um veículo traz consigo, no entanto, o orçamento pode sugerir outros meios de transporte.
Para o administrador Ewerton Veloso, o mais importante para a decisão de ter um carro é o autoconhecimento. O motorista deve se conhecer, conhecer seus hábitos, suas necessidades, conhecer o seu veículo e o tipo de manutenção que ele exige. Para ilustrar as diferenças entre cada motorista, para além dos custos básicos e comuns a todos, como IPVA e combustível, o administrador cita o próprio exemplo. “Cada motorista vai ter seu perfil de vida e suas particularidades. No meu caso, eu rodo cerca de mil quilômetros por mês em estrada e 600 quilômetros na cidade. Mas a estrada em que dirijo é cercada de mineradoras e o pó de minério danifica a correia dentada do carro, exigindo que eu tenha que trocar a correia dentada mais vezes que outro motorista”, conta Veloso.
É comum que os motoristas não calculem exatamente quanto gastam com seu próprio transporte, desconsiderando que outras alternativas, como o uso do transporte público diariamente e o uso de táxis e de carros alugados para lazer, por exemplo, possam ser mais benéficas ao bolso. Entre os custos mais esquecidos estão as multas de trânsito, os estacionamentos pagos e os gastos com manutenção. “Tudo entra como custo do carro. Tem que abrir uma planilha, jogar tudo lá, sem esquecer de nada, para saber o valor real que se gasta por mês e, consequentemente, por ano, com um veículo”, explica.
Rendimento
A ideia de que é necessário conhecer o próprio veículo ganha força especialmente no momento de calcular os gastos com combustível. Para saber o rendimento do carro, basta encher o tanque e zerar o odômetro. Se a capacidade do tanque do seu veículo é de 45 litros, por exemplo, assim que o tanque esvaziar você deve dividir os quilômetros rodados (desde o momento em que zerou o odômetro) por 45 – dessa forma, saberá quantos quilômetros seu carro roda por litro. Em caso de carros flex, o mesmo procedimento deverá ser realizado para descobrir o rendimento com álcool e com gasolina.
Custos
Alguns dos gastos de ter um carro são comuns a todos, como o IPVA, pago anualmente, o combustível e o seguro obrigatório. Entre os gastos opcionais estão a contratação de outros seguros e os custos com manutenção, como troca de óleo, de pneus, de pastilha de freio, de correia dentada, e assim por diante. Apesar de não serem considerados gastos inevitáveis, é importante lembrar que uma boa e constante manutenção do veículo colabora com a durabilidade, a segurança e o valor no mercado.
Ewerton Veloso ressalta que dirigir cotidianamente na cidade implica em outros custos indesejados, como o pagamento de estacionamento e multas de trânsito. Apesar do esforço em evitar ambos os custos, ocasionalmente eles ocorrem e, nesse caso, também devem ser incluídos no gasto total com o veículo.
Na ponta do lápis
No intuito de incentivar que as pessoas calculem se vale ou não a pena ter um carro e qual o custo real disso, o administrador Ewerton Veloso publicou no blog Educando seu Bolso, do qual é colunista, uma tabela com os gastos que ele mesmo tem com seu veículo. Como afirmou, cada pessoa deve adaptar os custos à sua própria realidade para chegar ao seu próprio valor. “Meu carro representa um gasto de 800 reais por mês. No meu caso específico, eu prefiro arcar com esse custo, por questões pessoais. Mas muitas vezes as pessoas vão chegar a outra conclusão depois de colocarem os valores no papel, então dá um pouco de trabalho, mas é necessário”, aponta Veloso. “Tenho um casal de amigos que, depois de organizar e somar tudo, viu que não valia a pena ter carro. Hoje eles vão a pé para o trabalho, usam táxi quando saem à noite e alugam um carro, eventualmente, para fazer uma viagem no final de semana, por exemplo”, conclui.
Por Camila Bahia Braga, da Revista SINDLOC-MG.

Translate »