Paulo Nemer: Pelo fim das relações comerciais “bipolares”

paulo

Diante dos atualizados e robustos números do setor de locação de veículos, divulgados recentemente pela ABLA em relação ao faturamento das locadoras no Brasil (R$16,2 bilhões no ano de 2015), frota total superior a 850 mil veículos e aproximadamente 7.500 empresas atuando no nosso segmento em todo o País, criamos condições para que junto com os nossos parceiros comerciais, nós possamos romper o que eu chamo de relação “bipolar”.
Nesse caso, relação “bipolar” significa que ainda há uma série de obstáculos causados pelas constantes mudanças de regras no relacionamento comercial entre montadoras, bancos e locadoras. São mudanças que influenciam diretamente na renovação dos nossos ativos, como também nos recursos para um aumento ainda mais significativo da nossa frota, e na execução dos nossos planejamentos de investimentos.
Na prática, essa “bipolaridade” se verifica claramente nos momentos em que os pátios estão cheios, quando então o setor de locação de veículos se torna a principal “válvula de escape” da indústria automobilística. E, por outro lado, assim que acontece o primeiro sopro de retomada da demanda por parte dos consumidores de varejo, o setor de locação é rapidamente colocado em plano secundário.
Queremos e precisamos trabalhar junto com as montadoras e com os bancos para reduzir essa “montanha russa”, que aumenta a distância para a implantação de efetivas políticas comerciais de longo prazo, políticas comerciais constantes e que realmente proporcionem condições adequadas para que as locadoras possam executar seus planejamentos.
Para isso, é fundamental que as ‘regras do jogo’ não mudem de uma hora para outra, inclusive para que as locadoras possam, de fato, dar um novo impulso à indústria automobilística, que afinal é uma das maiores do mundo, gera aproximadamente 20% da produção industrial e que tem no nosso setor os seu maior cliente no Brasil.
É verdade que superar esse desafio não é fácil diante das dificuldades políticas e econômicas pelas quais o Brasil está passando. Mas não devemos “jogar a toalha”. Precisaremos de uma dedicação mais intensa por parte das montadoras e dos bancos, e de planejamentos estratégicos ainda mais cuidadosos por parte das locadoras.
Vamos seguir juntos nessa trilha. Temos demonstrado maturidade suficiente para gerar oportunidades, inclusive em meio aos mais complicados períodos de crise. Tenho certeza que, dessa vez, não será diferente.
*Paulo Nemer é presidente do Conselho Nacional da ABLA
Fonte: ABLA

Translate »