O mercado paga caro pelas tarifas predatórias

Leonardo Soares sugere refletir: porque um vestido que custa R$ 2 mil é alugado por R$ 300/dia e um carro de R$ 30 mil é locado a R$ 120/dia?
Saber precificar uma tarifa de locação de automóveis não é um bicho de sete cabeças, mas o mercado cada dia mais aprende que são poucos que o fazem. Seja por se basear em concorrentes desleais, seja por desconhecer a importância do mecanismo, o que se percebe são preços congelados há mais de cinco anos no setor e promoções de diárias fora da lógica de qualquer matemática.
Para Leonardo Soares, Presidente do SINDLOC-MG, que tem na sua gestão a bandeira de profissionalizar o segmento e investir em treinamento para mudar cenários como esses, os preços ajudam a nivelar por baixo todo atendimento e qualidade do serviço. “Em médio e longo prazo, tiram rentabilidade das empresas e sua capacidade de investir, crescer e desenvolver, afetando assim todo o segmento”, afirma.
Quando uma locadora de automóveis pratica preços absurdamente baixos ela desconsidera todos os riscos do negócio como inadimplência, furtos, perda total, apropriação indébita, multas, variação do custo financeiro. “Muitas vezes, por falta de conhecimento, nem o custo com renovação de frota é considerado na precificação das empresas que praticam esse tipo de tarifa”, lembra. Com isso, a empresa que atua com preços predatórios perde adiante, mas para o mercado de aluguel o estrago é maior. Leonardo explica que a tarifa predatória é diferente do conceito de “livre mercado”. “Quando empresas praticam tarifas nocivas ao segmento, ele todo é balizado por baixo e para enfrentar a concorrência, os preços vão congelando ou até mesmo abaixando e assim, para sobreviver, as empresas passam a ‘cortar custos’ que vão piorar a prestação dos serviços e manchar a imagem do segmento de um modo geral”, explica Soares.
O SINDLOC-MG há alguns meses levanta essa bandeira. Uma das ações imediatas realizada pela instituição é a de ensinar os empresários a precificar suas tarifas. “Através de cursos, da disseminação de informações pelo site, revista e pelas redes sociais, buscamos ter empresários e gestores cada vez mais capacitados para analisar riscos e oportunidades em nosso mercado”, avisa.
EXERCITE
Leonardo Soares lembra que existem algumas questões importantes que precisam ser perguntadas periodicamente pelo gestor financeiro de uma locadora. “Claro que existem variáveis”, avisa.
– Uma empresa que tem um desconto ‘X’ para a compra de um veículo, pode ter o mesmo preço da concorrente que tem um desconto quatro vezes maior?
– Por que as locadoras dão quilometragem livre para contratos de longo prazo? Como precificar a vida útil do carro e a manutenção sem saber quanto o carro poderá rodar?
– Por que as locadoras praticam os mesmos preços há cinco anos se todos os custos subiram?
– Por que um vestido que custa R$ 2 mil é alugado por R$ 300/dia e um carro de R$ 30 mil é locado a R$ 120/dia?
Da REVISTA SINDLOC-MG.

Translate »