Mercado de Locação: Atuar no setor público vale a pena?

Seja em tempo de tempestade ou de bonança, o empresário precisa sempre perceber um bom horizonte. Reinventar-se, urdir o futuro, manter-se, enfim, no mar. Se existe um desafio para qualquer empreendedor, ele é o de navegar firme e forte e, de preferência, sempre. Por isso, é preciso saber os desafios e os melhores mares. Conhecer o setor, saber o que e onde as coisas funcionam. Dois desses caminhos, quase sempre dicotômicos, mas possíveis de serem paralelos, são aqueles do mercado público e do privado. Alguns empresários trabalham quase que exclusivamente em um ou no outro. Afinal, o que existe de melhor e de pior em ambos?
No setor público, existe a fama de inadimplência. No privado, os baixos lucros. No público, a concorrência desleal com empresas praticantes de tarifas predatórias. No privado, prejuízos com multas e depreciações dos automóveis. Será? Por exemplo, o mito da inadimplência se desfaz na opinião de Ricardo Moreira, da Executivo Service. “Na iniciativa pública temos condições de atuar com retorno financeiro melhor do que na privada, salvo quando em processos licitatórios de baixa audiência. De todo modo, ainda não encontramos problemas para receber de entidades públicas e, ao contrário do que se pensa, já tivemos dificuldades de receber de empresas privadas e até de pessoas físicas”, explica Moreira.
Para Ronan Valério Flor, da King Rent a Car, só vale a pena participar de um processo licitatório quando este é elaborado cuidadosamente. “Quando o órgão público elabora uma licitação corretamente, é muito vantajoso ter um contrato, pois as atribuições de ambas as partes são muito bem definidas”, diz.
Mas a dificuldade nem sempre está na licitação, mas nos preços praticados no mercado. Segundo Gustavo Penna, da Locarcity, existe um grave problema no setor público. Para ele, trata-se da falta de capacidade para a execução do contrato. “O que está acontecendo é que empresas sem nenhuma experiência no setor estão ganhando licitações com tarifas predatórias, deixando de fora empresas com tradição e capacidade de gerir bem o contrato”, avalia.
Isso tem dado alguns nós na gestão pública e muitas prefeituras e governos federais e estaduais têm encontrado problemas nas prestações de contas, por exemplo. Deste modo, na avaliação de Gustavo, perde a empresa executora, que acumula prejuízos pelas baixas tarifas, perde o setor público e perde o mercado, que cada dia mais é bombardeado com denúncias de más gestões. Para ele, no setor privado, a experiência no segmento tem um peso maior na negociação. “Não é só o preço que é avaliado simplesmente”, afirma. De fato, a ausência de critérios como experiência de mercado é algo de grande deficiência nos processos licitatórios.
LICITAÇÕES DIÁRIAS
Para quem busca se engajar no mercado público, é bom saber que o SINDLOC-MG disponibiliza diariamente uma lista de processos licitatórios abertos em todo o Brasil. “Acompanho as licitações enviadas pelo sindicato. É um serviço importantíssimo para nós”, afirma Ronan. Se você é associado e não anda recebendo, basta entrar em contato com o sindicato e solicitar. Agora, saiba as tempestades e a bonança desta área. O telefone do SINDLOC-MG é (31) 3337-7660 ou pelo email [email protected]
Da Revista SINDLOC-MG.

Translate »