Governo quer que financiamento para veículos suba 20%

finan

 
Preocupado com o desempenho do setor de veículos, no qual o crédito ao consumidor encolher no primeiro semestre, o Banco Central criou uma espécie de “meta de vendas” para os bancos. Quem elevar em 20% a média diária dessas operações de financiamento até dezembro poderá descontar os empréstimos do dinheiro retido no BC (compulsório).
A medida pode ajudar no ritmo da expansão do setor de locação de veículos, que atingiu 4,7% em 2013 e que agora pode ser impulsionado em 2014, conforme avaliação da Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (ABLA).
Paulo Nemer, presidente do conselho nacional da ABLA, explica que a idade média da frota do setor de locação de veículos, que atingiu 530 mil unidades ao final do ano passado, passou de 15 meses em 2010 para 17,5 meses em 2013. “Em 2006, a idade média dos automóveis do setor era de 14 meses”, acrescenta. “Isso que mostra que as locadoras têm enfrentado dificuldades de crédito ao longo dos últimos anos”.
Nemer lembra que a demanda por crédito é elevada nas locadoras, pois os veículos são os bens de capital dessas empresas. Por exemplo: para renovar uma frota de 100 veículos, a R$ 30 mil por unidade, já são necessários R$ 3 milhões. “Os automóveis são nossos instrumentos de trabalho”.
O crédito para compra de veículos é um dos focos das medidas anunciadas pelo governo. O setor preocupa o Palácio do Planalto porque está em processo de demissões e pode prejudicar a campanha de reeleição da presidente.
Em 12 meses até junho, o volume de crédito para compra de veículos caiu 3,7%, para R$ 186,6 bilhões.
Em outra frente, o Ministério da Fazenda atendeu uma das principais reclamações das instituições financeiras: a dificuldade em recuperar veículos de pessoas com prestações em atraso. Com a nova medida, fica dispensado o protesto para comprovação de inadimplência, bastando uma carta registrada.
Atualmente, os bancos levam até dois anos a partir da notificação para retomar o bem, afirmou Paulo Caffarelli, secretário-executivo do ministério. Segundo ele, o tempo pode cair para três meses.
O setor automobilístico enfrenta queda nas vendas, aumento do estoque e de demissões. A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos) estima que haverá uma queda de 5,4% no licenciamento de carros neste ano.
Luiz Moan, presidente da Anfavea, afirmou que as novas medidas premiam as pessoas que pagam as prestações em dia, “ao contrário do marco regulatório anterior, que beneficiava o inadimplente”.
Em relação ao pacote do BC, Moan disse que o aumento de recursos é positivo e terá efeitos diretos e indiretos na economia como um todo.
A Fenabrave (associação de revendedoras) estima que a facilitação na recuperação de carros de inadimplentes aumentará a aprovação do crédito em torno de 20%, o que representa 30 mil vendas de veículos a mais por mês.
Hoje, são aprovados 150 mil financiamentos por mês.
“Com mais crédito à disposição, aumenta a comercialização, a produção, os empregos, a captação de impostos e, por fim, se reduzem os juros”, disse Flavio Meneghetti, presidente da Fenabrave.
Ao anunciar as medidas, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que a economia não está “patinando” e reafirmou que o sistema financeiro do país está entre os mais sólidos -o que permitiria o afrouxamento de medidas para conter o risco.
“Estamos em pleno emprego, estamos, em julho e agosto, com economia em gradual aquecimento”, disse.
Segundo Mantega, as medidas anunciadas melhorarão o crédito gradualmente.
“Essas medidas são de âmbito regulatório, melhoram o ambiente econômico, reduzem custo.”
fonte: Folha e ABLA

Translate »