Carro usado de locadora sai mais barato. Mas vale a pena?

Locadoras de carros, como Unidas, Hertz, Rodobens e Localiza, revendem veículos para renovar frotas e podem ser uma opção mais acessível do que as concessionárias para quem busca um automóvel usado.
Ao comprar um grande volume de carros, as empresas de aluguel conseguem obter benefícios na negociação com a montadora, e repassam descontos a compradores na revenda.
Os preços cobrados nas locadoras são, em média, de 8% a 10% menores do que os oferecidos pelas agências, diz Milad Kalume Neto, gerente de desenvolvimento de negócios da consultoria Jato. “As locadoras vendem os veículos quando eles ainda estão com preços competitivos”.
Levantamento feito pela Unidas para Exame.com mostra que os descontos na locadora podem variar de 5% a 16,8% quando comparados com preços anunciados por concessionárias no site Webmotors. Entre as opções oferecidas, estão modelos como o Fluence, da Renault; Fox, da Volkswagen; Focus, da Ford; e Uno, da Fiat.
O maior desconto é obtido na compra de um Ford Fiesta sedã 1.6. Enquanto na locadora o preço do veículo é de 31,5 mil reais, na concessionária o custo aumenta para 36,9 mil reais. A comparação foi feita no dia 12 de novembro.
A Unidas anuncia que os veículos revendidos costumam ter menos de três anos de uso e uma média de 35 mil quilômetros rodados.
Os carros passam por revisões em concessionárias e costumam oferecer a mesma garantia que a concessionária, de 90 dias, diz Kalume Neto. Os carros são vendidos em lojas próprias e agências parceiras.
Vantagens e desvantagens
Apesar do preço baixo, o consumidor irá encontrar nas locadoras uma variedade mais limitada de modelos do que nas agências, diz Kalume Neto. “Vai ser mais difícil comprar um Jetta, e mais comum encontrar modelos como Palio e Gol, que correspondem à maior parte das frotas”.
Cores e versões também são mais restritas nas locadoras. “Os veículos têm um padrão. Não é oferecida uma versão básica, intermediária e superior”, diz o gerente.
Carros de luxo ou modelos em versões superiores podem ser mais comuns em empresas que alugam veículos para executivos e gerentes de empresas.
O tipo de uso pode indicar o estado de conservação dos veículos, conta Kalume Neto. “Carros alugados para executivos são utilizados por apenas um motorista. O funcionário tende a ser mais cuidadoso com o benefício concedido pela empresa, em geral por três anos”.
Já carros para locação diária tendem a ter uma depreciação e desgaste mecânico maior. “Nesse caso os motoristas são mais descuidados, porque vão utilizar o carro apenas uma vez”.
A quilometragem de carros para locação diária também tende a ser maior. “Geralmente as locadoras revendem os carros quando a manutenção fica mais cara, com até 60 mil quilômetros rodados”.
Nesse caso, o comprador deve verificar se o desconto compensa o custo de eventuais problemas, como troca da embreagem, mais comum em carros com quilometragem maior.
Os carros de locadoras são revendidos com equipamentos, como aparelho de som, ar-condicionado e tapete. Mas esses acessórios geralmente não têm garantia de fábrica, diz o consultor. “As locadoras costumam buscar empresas terceirizadas, que oferecem custos menores para equipar a frota”.
As locadoras podem oferecer facilidades de financiamento, como juros subsidiados, e também promoções para clientes. Algumas empresas aceitam parcelar parte do valor do carro no cartão de crédito sem juros, por exemplo.
Cuidados
Antes de comprar um carro usado o consumidor deve realizar uma vistoria para verificar possíveis danos, defeitos e estado de conservação do veículo.
Também é aconselhável realizar um test drive prolongado ou até alugar o automóvel por um ou dois dias antes de concluir a compra, caso a opção seja oferecida pela empresa.
Por Marília Almeida, de Exame.com.

Translate »