A seis meses da Copa, secretário faz balanço positivo da preparação de Minas

Belo Horizonte segue ansiosa à espera da Copa do Mundo de 2014. O relógio de oito metros de altura instalado na Praça da Liberdade informa que falta pouco mais de 180 dias para o início da maior competição de futebol do planeta. Com o tempo corrido e a data de estreia ficando cada vez mais próxima, a Secopa (MG) realizou um balanço das tarefas já cumpridas e chegou à conclusão de que os resultados são positivos. Nesta terça-feira, o secretário extraordinário da Copa do Mundo em Minas Gerais, Tiago Lacerda, concedeu entrevista coletiva acerca dos últimos preparativos antes do megaevento no auditório do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), localizado no bairro de Lourdes, Região Centro-Sul da capital.
“Ficou muito claro o crescimento e a melhoria de Belo Horizonte desde que foi anunciada como cidade-sede da Copa do Mundo de 2014. Um dos destaques, talvez o maior, foi a entrega do Mineirão no fim de 2012 e o reinício da operação em 2013. Paralelamente a isso estávamos passando por uma fase operacional antes da Copa das Confederações. Neste contexto, tivemos vários jogos do Campeonato Mineiro e o amistoso entre Brasil e Chile, fundamental para as nossas operações no estádio. Foi um jogo-teste”, declarou o secretário. “Todos os jogos de futebol realizados no Mineirão deixaram bem claro para a Secopa o crescimento e a melhoria da operação do estádio. Desde o primeiro até o último jogo. Isso foi constatado não somente nas nossas observações, mas também pelas pesquisas feitas pelo nosso verificador independente do contrato da PPP (parcerias público-privadas)”, acrescenta.
Ainda em relação ao Mineirão, Tiago Lacerda também destacou a importância da realização de eventos não ligados ao futebol. Passaram pelo Gigante da Pampulha os renomados cantores Paul McCartney, ex-vocalista dos Beatles, e Elton John, além do grupo de heavy metal Black Sabbath, também do Reino Unido. O secretário diz que tais apresentações colocaram o nome de Belo Horizonte no cenário cultural mundial. “É fundamental realizar eventos fora do futebol. Você recebe um público diferente, que chega ao estádio em horários diferentes. Em especial, o show do Paul (McCartney) foi o grande exemplo, pois todos os mineiros estavam ansiosos pela sua presença na capital. Tivemos um desafio muito grande para articular todos os detalhes e felizmente conseguimos”, afirma.
Em 2013, o Mineirão foi palco de 32 partidas das mais variadas competições: Campeonato Mineiro, Copa do Brasil, Campeonato Brasileiro, Copa Libertadores e Copa das Confederações, além de um amistoso. De acordo com os dados divulgados pela Secopa, o estádio recebeu mais de 1,2 milhão de pessoas no período de um ano, o que parece ter causado boas impressões. “A Fifa está muito satisfeita com esse número. Isso mostra que o estádio tem estrutura excelente para receber as partidas. Desde as operações relacionadas ao futebol até a parte de limpeza e segurança”, frisou Tiago Lacerda.
Campos oficiais de treino para a Copa do Mundo, o Estádio Independência, a Toca da Raposa II, a Cidade do Galo e o SESC Venda Nova também receberam avaliações muito positivas da Fifa, conforme passado pela Secopa. O Gigante do Horto receberá a Seleção da Inglaterra antes do confronto diante da Costa Rica, enquanto os CTs de Cruzeiro e Atlético abrigarão, respectivamente, as delegações de Chile e Argentina. Antes do sorteio do Mundial, cerca de 20 seleções conheceram a estrutura de Belo Horizonte.
Infraestrutura e segurança
Uma das obras de mobilidade mais atrasadas para a Copa do Mundo é a reforma no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins. Até o momento, o Terminal 1 passa por reformas (33,3% das obras concluídas) e só deve ficar totalmente pronto depois da competição. Contudo, existe a garantia de que os 85% de conclusão de obras não atrapalharão no embarque e desembarque de passageiros. A expectativa é de que 15,5 milhões de pessoas passem por ele no ano que vem. Já a pista de pouso teve apenas 18% das intervenções finalizadas, mas é provável que chegue a 100% em maio de 2014.
“As obras nos aeroportos são de responsabilidade do governo federal. Mas a gente sempre acompanha a situação e faz cobranças. Quero ser considerado uma pessoa ‘chata’ pela Infraero, pois sempre envio ofícios questionando como estão os andamentos das obras. Recebemos a garantia de que não haverá problemas durante a Copa do Mundo”, salientou Tiago Lacerda, que preferiu não se pronunciar a respeito das obras de mobilidade dentro da capital, como as construções das BRTs e ampliações de vias e avenidas. “Estou desatualizado acerca disso”, resumiu.
O secretário também informou que medidas de segurança detalhadas serão tomadas a fim de evitar possíveis atos de violência, como ocorreu durante o jogo entre Atlético-PR e Vasco, em Joinville, pela última rodada do Campeonato Brasileiro. Tudo ficará sob responsabilidade do Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), inaugurado em março deste ano e utilizado durante a Copa das Confederações. “Recebemos diversos equipamentos modernos de segurança e temos a parceria entre segurança pública e privada. Além disso, são realizadas, com certa frequência, simulações de acidentes nos estádios e aeroporto para deixar a equipe completamente preparada”, pontuou.
Por fim, Tiago Lacerda deu a entender que Belo Horizonte está à frente de grande parte das outras cidades-sede do Mundial. “É só a gente pegar o que alguns órgãos publicaram. Sempre nos colocaram como uma das cidades mais bem preparadas, desde a época de planejamento até a de execução. Estádios foram entregues no prazo e os campos de treinamento também. A parte operacional da Copa das Confederações recebeu avaliação positiva. Algumas cidades entrarão agora na Copa do Mundo e terão dificuldades como a gente teve durante a Copa das Confederações. Mas já conseguimos resolver muitas delas”, concluiu.
Por Rafael Arruda, do Superesportes.

Translate »