Orgulhoso, carioca comemora aniversário em grande estilo

A vontade de festejar e de comer o bolo gigante que tomou a Rua da Carioca deu o tom das comemorações pelos 450 anos do Rio de Janeiro, neste domingo. Por todos os lados da cidade, havia comemorações dos mais variados tipos para inflar o orgulho de quem vive por aqui.
Logo cedo, a cidade foi ‘refundada’. Estácio de Sá chegou à praia na Fortaleza de São João, na Urca, e entregou a chave simbólica do Rio ao prefeito Eduardo Paes. Bruno Estill Senra, de 24, ator que incorporou o desbravador, participa de um grupo de teatro que tem, nos últimos meses, encenado parte da História do Rio.
“Não é todo dia que a gente tem o privilégio de fundar uma cidade”, brincou o ‘Estácio de Sá’ dos 450 anos, durante o evento cívico-militar.
A vontade de festejar e de comer o bolo gigante que tomou a Rua da Carioca deu o tom das comemorações pelos 450 anos do Rio de Janeiro, neste domingo. Por todos os lados da cidade, havia comemorações dos mais variados tipos para inflar o orgulho de quem vive por aqui.
Logo cedo, a cidade foi ‘refundada’. Estácio de Sá chegou à praia na Fortaleza de São João, na Urca, e entregou a chave simbólica do Rio ao prefeito Eduardo Paes. Bruno Estill Senra, de 24, ator que incorporou o desbravador, participa de um grupo de teatro que tem, nos últimos meses, encenado parte da História do Rio.
“Não é todo dia que a gente tem o privilégio de fundar uma cidade”, brincou o ‘Estácio de Sá’ dos 450 anos, durante o evento cívico-militar.
Galera devora bolo gigante e se diverte com glacê na Rua da Carioca
O bolo de aniversário foi montado hoje na Rua da Carioca, no Centro. A guloseima tinha 450 metros de extensão e foi devorada por quem prestigiou o ‘Parabéns pra você’. A criançada também aproveitou o momento para se lambuzar e fazer uma guerrinha divertida com as fatias cheias de glacê. O prefeito Eduardo Paes e o governador, Luiz Fernando Pezão, ao que parece, gostaram do bolo.
A grade que ‘protegia’ a iguaria não foi suficiente para conter a vontade de festa da galera mais ansiosa, que, ao perceber a demora de ser servida em ordem, decidiu ultrapassar a área reservada.
“Percebi que pessoas invadiram, então eu disse para as crianças: ‘Vai, aproveita!’”, disse a ambulante Sara Drummond, de 24 anos.
No entanto, a comemoração no Centro começou tumultuada com um protesto de candidatos já aprovados em concurso para a Guarda Municipal, em 2013. A ação foi controlada após representante da prefeitura propor uma reunião para esta terça-feira.
Na noite de sábado, grande show reuniu cerca de 40 mil pessoas na Quinta da Boa Vista, segundo a organização. Vinte e um artistas subiram ao palco. Vanessa da Mata abriu o espetáculo cantando ‘Samba do Avião’, de Tom Jobim. Um dos pontos altos da festa ficou a cargo de Caetano Veloso e Baby do Brasil.
Juntos, eles cantaram ‘Menino do Rio’. O baiano ouviu gritos de ‘lindo’ e ‘maravilhoso’.
“O Rio é a cidade onde morei mais tempo. Quando criança, o Rio era o que eu mais almejava. Viver no Rio é uma glória”, derreteu-se Caetano.
Também brilharam e emocionaram Paulinho da Viola, que cantou ‘Foi um Rio Que Passou em Minha Vida’, e Zeca Pagodinho, com ‘A voz do morro’. Gilberto Gil também foi recebido calorosamente e cantou ‘Aquele Abraço’. Quase à meia-noite, Neguinho da Beija-Flor cantou ‘O Campeão’ (Domingo eu vou ao Maracanã).
Após a contagem regressiva, queima de fogos, ao som de ‘Cidade Maravilhosa’ celebrou a aniversariante do dia.
Em cada canto, uma tribo bacana
Basta uma voltinha pelo Rio para perceber que cada cantinho da cidade tem a sua tribo. Na Zona Sul, é muito fácil encontrar estrangeiros que escolheram viver tendo a praia como vizinha. Uma delas é a americana Mandy Gulbrandsen, de 39 anos, que mora há quatro anos no Leblon com o marido (executivo de uma multinacional) e a filha.
“Me sinto mais em casa aqui do que nos EUA. Minha filha, de cinco anos, diz que é brasileira (risos). Adoro a praia, o povo carioca e o carnaval. Já desfilei três vezes.”
A Lapa é outro pedacinho que recebe estrangeiros que pensam em fixar residência na cidade. O perfil, no entanto, é outro. Em sua maioria, são jovens que trazem na bagagem o desejo de crescer profissionalmente aqui. É o caso do inglês Will Stremes, de 22 anos. “Sou do setor de hotelaria e vou trabalhar em um hostel na Glória. A princípio, vou ficar por três meses, mas, se conseguir o visto de permanência, pode ser que eu não volte”, diz o novo morador do reduto boêmio.
Estrangeirismo à parte, a cidade continua recebendo nordestinos que vêm tentar uma vida melhor. O Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas reúne vários deles. O cearense Raimundo Nonato de Abreu, de 23, está há três deles no Rio e já se adaptou perfeitamente. Ele trabalha em uma barraca na Feira de São Cristóvão. “Vim para cá em busca de emprego, mas gostei daqui de verdade”, diz.
A história de Raimundo se parece com a do maranhense Carlos Marabá, diretor cultural do Centro de Tradições, e que escolheu o Rio para morar há 48 anos. “Quando vim para cá, não tinha nem onde morar, dormia no chão do Pavilhão de São Cristóvão. Sou apaixonado pelo Rio.”
Por Hélio Almeida e Regiane Jesus, do O Dia;
Foto: Fernando Souza / Agência O Dia.

Translate »