Obras de infraestrutura podem estimular terceirização de frotas no NE

obras

De Folha de S. Paulo

Obras na área de infraestrutura logística se espalham pelo Nordeste. Na reta final do PAC 2 (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal, o investimento na região superou a casa dos R$ 240 bilhões, sendo R$ 23 bilhões para obras na área de transportes.
Entre as principais ações está a duplicação da BR-101. Fundamental para o transporte de cargas, a rodovia é utilizada desde o sul da Bahia, onde faz ligação com o Sudeste, até o extremo norte do Rio Grande do Norte. Madeira, frutas, papel e celulose, veículos, autopeças, combustíveis e produtos siderúrgicos estão entre os itens mais transportados na estrada.
Com 1.728 quilômetros, a ferrovia Transnordestina, que ligará a cidade de Eliseu Martins, no Piauí, aos portos de Pecém (no Ceará) e ao de Suape (em Pernambuco), é tida por especialistas como uma das intervenções mais importantes para o desenvolvimento da região. Lançado em 2006, o projeto só deve ser finalizado em 2016.
A Fiol (Ferrovia Oeste-Leste), na Bahia, também é considerada essencial para a área graneleira do Estado. Tanto a Transnortestina como a Fiol se ligarão ao eixo Norte-Sul – considerada a espinha dorsal da região.
Para a economista Tânia Bacelar, da Universidade Federal de Pernambuco e sócia da Ceplan Consultoria, o investimento em infraestrutura é a engrenagem que fará a máquina girar no Nordeste. “A infraestrutura do Sul e do Sudeste é muito melhor do que a nossa. Isso é uma dificuldade, porque esse é um elemento importante da competitividade”, disse ela.
Fonte: ABLA

Translate »