Nelson Mandela: 15 lições de sabedoria e liderança

nelson-mandela-feliz-45273

Veja as lições do líder sul-africano, que passou 27 anos na prisão por lutar contra o regime do apartheid e faleceu nesta quinta-feira (05).

Último herói

O jornalista Richard Stengel, autor do livro Os Caminhos de Mandela: Lições de Vida, Amor e Coragem (Editora Principium), de 2010, foi quem ajudou Nelson Mandela a escrever sua autobiografia (Longa Caminhada até a Liberdade, Editora Nossa Cultura) e produziu o documentário Mandela, indicado ao Oscar em 1996. Entre 1992 e 1994, alguns anos depois de Mandela ter saído da prisão, Stengel reuniu mais de setenta horas de entrevistas e um diário escrito pelo líder sul-africano. Quinze das lições de sabedoria e liderança presentes neste material e compiladas no livro você confere nos slides a seguir.

1 – Coragem não é ausência de medo

Nenhum de nós nasce corajoso, diz Mandela. Tudo está na maneira como reagimos a diferentes situações.
Embora possa surpreender as pessoas que o conhecem apenas como um ícone, Stengel diz que Mandela contou ter tido medo diversas vezes: durante o julgamento de Rivonia, que o sentenciou à prisão perpétua, quando os carcereiros na Ilha Robben ameaçaram espancá-lo, quando era um fugitivo conhecido na imprensa como “Pimpinela Negro”, quando secretamente começou a negociar com o governo. Coragem não é ausência de medo, ele dizia. É aprender a superá-lo. Finja que você é corajoso e você se torna corajoso;

2 – Seja ponderado

No meio de situações turbulentas, Mandela é calmo e procura a calma nos outros. Um homem que foi seu companheiro de prisão durante os quase 30 anos em que ele esteve preso diz que só o viu bravo duas vezes – e ambas envolviam carcereiros insultando sua mulher.
Pensamos em temperamento como algo com o qual nascemos. Mas, no caso de Mandela, foi algo formado. Quando jovem, ele era cabeça quente e facilmente incitável à raiva. O homem que saiu da prisão era o oposto disso – quase impossível exaspera-lo. Ele esperava antes de tomar decisões. “Não se apresse”, ele dizia, “pense, analise, então aja”;

3 – Lidere na frente

Mandela liderou a Liga Jovem do CNA, o Congresso Nacional Africano, coordenou a Campanha do Desafio, em 1952, comandou a decisão de abraçar a luta armada e desafiou o governo a enforcá-lo no Julgamento de Rivonia, em 1963-1964, que o condenou à prisão perpétua. Na prisão, na década de 1980, foi dele a iniciativa de negociar com o governo branco.
“É absolutamente necessário, às vezes, o líder agir independentemente, sem consultar ninguém, e apresentar o que fez à organização”, ele diz. O que significa também ser responsável e assumir as consequências. Sua concepção é a de que líderes devem não apenas liderar, devem ser visto liderando;

4 – Lidere na retaguarda

Mandela sabia que não há nada que faça outra pessoa gostar mais de você do que lhe pedir sua ajuda – quando você reconhece a opinião dos outros, aumenta a lealdade deles a você. Sabia que não podia estar sempre na frente e que seu objetivo poderia morrer, a menos que permitisse que outros liderassem.
Certa vez, usou uma parábola para explicar sua ideia de liderança: quando você está manejando um rebanho e quer que ele se mova para determinada direção, fica atrás com uma vara e deixa alguns dos animais mais inteligentes irem na frente, movendo-se na direção que você quer que eles se movam. O resto do rebanho segue os mais enérgicos que estão na frente, mas é você quem está realmente guiando lá de trás. É assim que um líder deve fazer o seu trabalho;

5 – Represente o papel

Quando Mandela era menino, seu pai cortou a própria calça de montaria e fez uma calça para que o filho tivesse o que vestir no primeito dia de aula. Ele estava determinado a fazer com que seu menino não parecesse um “nativo” incivilizado. Mandela aprendeu a lição. Ele sabia que, às vezes, a melhor forma de ajudar os outros a ver seu caráter é por meio da maneira como você se apresenta. As aparências importam e temos somente uma chance de causar a primeira impressão.
Assim como fingir que se é corajoso pode se tornar coragem real, podemos sentir que nos vestimos como a pessoa que queremos nos deixa mais próximos de nos tornarmos aquela pessoa.
E Mandela estava preocupado com as aparências em uma escala bem maior do que somente que tipo de terno estava vestindo. Ele conhecia o poder da imagem, muito antes da internet e das notícias 24 horas na TV a cabo. “As aparências constituem a realidade”, ele disse certa vez.
Em cada estágio da sua vida, Mandela decidiu quem ele queria ser e criou a aparência – e então a realidade – daquela pessoa. Tornou-se quem ele queria ser;

6 – Tenha um princípio essencial – todo o resto é tática

Nelson Mandela é um homem de princípios – exatamente um: direitos iguais para todos, independentemente de raça, classe ou gênero. Quase todo o resto é tática. Pragmatista, ele estava disposto a chegar a um acordo, mudar, adaptar e refinar sua estratégia, desde que isso levasse à derrocada do apartheid e a conquista de uma democracia não racial, com “uma pessoa, um voto”. Uma vez que tivesse atingido seu grande objetivo de trazer a democracia constitucional para a África do Sul, abraçaria seu corolário: conseguir a harmonia racial. Tudo o mais era subordinado a esses objetivos sobrepostos. Quando as condições mudam, você deve mudar sua estratégia e sua mente. Não é indecisão, é pragmatismo;

7 – Veja o que há de bom nos outros

É extraordinário que um homem que foi maltratado a maior parte da sua vida possa ver tanto o que há de bom nos outros. Mandela começa com a suposição de que você está lidando com ele de boa fé. Acredita nisso, assim como fingir ser corajoso pode levar a atos de coragem real -, julgando que o que há de bom nas outras pessoas melhora as chances de que revelarão o melhor de si. Certa vez, Stengel perguntou-lhe sobre John Vorster, o presidente da África do Sul, simpatizante do nazismo, que endureceu o apartheid e se arrependeu do fato de Mandela e seus companheiros não terem sido executados. “Ele era um sujeito bem decente”, Mandela disse, com total sinceridade. “Em primeiro lugar, era muito educado”. Não é que ele não veja o lado sombrio de alguém como John Vorster; é que ele não está disposto a ver apenas isso. Ele sabe que ninguém é puramente bom ou puramente mal;

8 – Conheça seu inimigo

Lutador amador de boxe, Mandela aprendeu com seu treinador, Skipper Molotsi, a importância de conhecer seu adversário e compreendeu que precisava fazer isso na arena política também. Quando estava na prisão, começou a estudar livros de gramática africâner e era caçoado pelos seus companheiros por aprender a língua do opressor, dos brancos. Stengel perguntou a Mandela que razões ele tinha para isso, e ele respondeu: “Bem, é óbvio, porque, como uma figura pública, vocês quer conhecer as duas línguas principais do país, e o africâner é uma língua importante, falada pela maioria da população branca do país e pela maioria das pessoas de cor, e é uma desvantagem não conhecê-la. Quando você fala africâner, entende, vai direto ao coração deles”. Para Mandela, conhecer o inimigo não era apenas uma tática, mas um ato de empatia.
E quando você conquista seu inimigo, ele disse, nunca se vanglorie disso. Não os humilhe sob nenhuma circunstância. Deixe-os, na verdade, salvar as aparências. E então você terá transformado seu inimigo em seu amigo;

9 – Mantenha seus rivais por perto

Você pode confiar nos seus amigos, no sentido se que sabe que eles, grosso modo, irão apoiá-lo, e pode confiar em seus inimigos, no sentido se que supõe que eles sempre se oporão a você. Mas seus rivais amistosos são aqueles que você precisa não perder de vista.
Meticuloso, Mandela traçava os movimentos de seus rivais e dizia que precisamos nos esforçar mais para esperar o esperado, que com frequência não nos preparamos para o que sabemos ser provável acontecer.
O líder sul-africano sabia que não havia método infalível de antecipar os ataques dos seus rivais, mas acreditava que, ao manter um rival debaixo das suas asas, faria com que ele ao menos pensassem duas vezes. E então ficaria perto o suficiente para vê-lo se aproximar;

10 – Saiba quando dizer não

Mesmo que tenha um instinto quase sobrenatural para agradar, mesmo que odeie desapontar as pessoas, Nelson Mandela é totalmente adepto do dizer “não”. Tendo passado tantos anos na prisão, onde tinha um poder limitado para influir nas situações, sabia que muitas delas se resolvem por si mesmas. Mas se você está demorando ou evitando dizer “não” porque é desagradável, melhor dizê-lo na hora e claramente. Você evitará problemas a longo prazo.
Mandela falou muitos grandes e resolutos “nãos” em sua vida política. Quando jovem, disse não à participação de comunistas na Liga da Juventude do CNA. Disse não para a ideia de esconder seus atos revolucionários, no Julgamento de Rivonia. Disse um gigantesco não ao presidente De Klerk quando julgou que ele estava tentando preservar a dominação branca no governo. Ao mesmo tempo, não dizia o “não” quando não tinha de dizer. Por que desperdiçar um “não” quando você não precisa dizê-lo? Por que ser rude quando não é preciso?
 
Fonte: mdemulher.abril.com.br

Translate »