Índice de internacionalização das multinacionais brasileiras cresce 1,6%

eaesp-fronteiras-expandidas-terca-feira

 
A atuação das empresas brasileiras no exterior em 2013 cresceu. O índice médio de internacionalização das multinacionais brasileiras, de 21,3% em 2012 para 22,9% em 2013 – aumento de 1,6% no comparativo ano a ano, conforme estudo “Ranking FDC das Multinacionais Brasileiras 2014” – pesquisa realizada pelo Núcleo de Estratégia e Negócios Internacionais da Fundação Dom Cabral (FDC).
O estudo, em sua 9ª edição, apresenta um panorama detalhado do processo de internacionalização das empresas brasileiras e traz o ranking das companhias e franquias mais internacionalizadas do Brasil. Este ano, a pesquisa avaliou também a força da marca Brasil na criação de valor internacional, identificando como a marca do país é impactada nos setores de atuação das multinacionais brasileiras no exterior. O estudo consultou 52 multinacionais brasileiras e 14 empresas que atuam no exterior por meio de franquias.
O índice leva em consideração os dados de ativos, receitas e funcionários das multinacionais no exterior em relação ao total. A pesquisa mostra que 65,1% das empresas pretendem expandir suas operações nos mercados em que já atuam no exterior e, ainda, 55,6% planejam entrar em novos países em 2014. Com relação à dispersão geográfica, a América do Sul lidera com 75,8% das multinacionais brasileiras com presença física na região, seguida da América do Norte (66,7%) e Europa (54,6%).
Perguntadas sobre a expectativa de desempenho para 2014 nos mercados doméstico e internacional, as multinacionais brasileiras se mostraram otimistas em relação ao market share e aos competidores nos dois mercados. A principal diferença, porém, foi em relação às vendas. “Surpreendentemente, as multinacionais se revelaram mais otimistas com as vendas no mercado internacional, o que pode estar relacionado à perda de força do mercado interno”, comenta o professor da Fundação Dom Cabral, Sherban Leonardo Cretoiu, coordenador da pesquisa.
No ranking geral das Multinacionais Brasileiras, a 1ª colocada da edição 2014 é a Construtora Norberto Odebrecht, com um índice de internacionalização de 54,9%, seguida da Gerdau (54,7%) e InterCement (53,9%), que cresceu devido à evolução da demanda em países africanos. A Stefanini é a empresa com subsidiárias em mais países – 32 no total -, seguida de WEG (31) e Vale (27). A InterCement tem o maior índice de funcionários em solo estrangeiro (65,6%), à frente de Marfrig (52,1%) e JBS (47,6%).
A pesquisa também elencou as franquias brasileiras mais internacionalizadas, com base em dados sobre unidades franqueadas, receita de royalties e taxas e receita de vendas de produtos franqueados no exterior em relação ao desempenho total desses mesmos dados. No topo da lista está a Localiza, com um índice de internacionalização de 9,4%, seguida da Mundo Verde (3,6%) e DepylAction (2%). A Localiza também é a franquia com presença em mais países (8) e com o maior índice de unidades franqueadas (24,9%).
Marca Brasil – A 9ª edição do Ranking FDC das Multinacionais Brasileiras analisou um tema específico – A força da marca Brasil na criação de valor internacional -, cujo objetivo foi investigar o efeito da Marca Brasil na internacionalização de empresas brasileiras. Na percepção de 58,7% das multinacionais consultadas, a Marca Brasil é positiva ou muito positiva em seu setor de atuação. No entanto, somente 33,3% das empresas acreditam que essa imagem positiva afete os negócios no exterior.
“Apesar da imagem do Brasil ser percebida como positiva por grande parte das multinacionais brasileiras e isso de alguma conforma contribuir para os negócios, as marcas próprias das empresas são de fato as principais responsáveis pelo sucesso internacional”, avalia o professor Sherban. Praticamente metade das empresas (49,2%) acredita que a sua marca própria seja mais ou muito mais relevante do que a marca Brasil no que diz respeito à estratégia internacional.
 
Fonte: IPESI

Translate »