Hotéis mantêm alta nos preços

A onda de supervalorização das hospedagens em hotéis do país, alavancada pela demanda da Copa do Mundo, ainda é forte em sete das 13 principais cidades brasileiras pesquisadas pelo IBGE. No acumulado de janeiro a agosto, a inflação do segmento foi de 10,99%, enquanto que o IPCA tem expansão de 4,02% em igual período, ambos na comparação do mesmo período de 2013. A inflação aparece com maior força no Rio, onde os preços das reservas estão 27,21% mais altos.
Curitiba é a segunda cidade em que a hospedagem está mais cara, com expansão de 17,61%; seguida de Fortaleza, com aumento de 16,77%; e de São Paulo, com expansão de 14,89% no período.
Mas os dados dos últimos meses apontam para tendência de desaceleração dos preços, não só devido ao fim do Mundial, mas em função da retração do turismo de lazer, especialmente os chamados de “sol e mar”. Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH), Enrico Fermi afirma que desde julho ocorre forte redução da taxa de ocupação dos meios de hospedagem de grande porte, em torno de 15%.
NORDESTE SENTE MAIS
A crise é mais acentuada no Nordeste, onde a maioria dos empresários vive do turismo de lazer. “Em Natal, a taxa de ocupação está em 40%. Esse nível é inédito para um segundo semestre, em que o inverno no Sudeste e Sul costuma atrair turistas e levar a ocupação a um patamar de 70%”, diz Fermi, citando Salvador como outra cidade em que empresários estão assustados com a perda de demanda.
Por Aline Salgado, do O Dia.

Translate »