Greve dos bancários entra no segundo dia, sem previsão de acabar

RIO – Os bancários entraram no segundo dia de greve nesta quarta-feira. A paralisação foi iniciada na terça-feira e não tem previsão para terminar, segundo comunicado da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). Na terça-feira, primeiro dia do protesto, a categoria fechou pelo menos 6.572 agências em 26 estados do país, mais o Distrito Federal.

No Rio, onde 200 das 1.258 agências foram fechadas parcialmente, ainda não havia informações sobre a adesão à greve nesta quarta. Em São Paulo, o sindicato que representa os bancários na capital e na região de Osasco informou que não divulgará balanços parciais. A paralisação não afeta a operação dos caixas eletrônicos.

Procurada, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) informou que não vai se pronunciar sobre a paralisação. Ainda não há perspectivas para uma nova rodada de negociações, após a conversa fracassada do último sábado.

CATEGORIA QUER AUMENTO SALARIAL DE 12,5%

A greve foi aprovada na noite da última segunda-feira, confirmando a decisão dos sindicatos, que não aceitaram a proposta de reajuste salarial de 7,35% oferecida pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). Os bancários reivindicam aumento de 12,5%, além de benefícios como manutenção de planos de saúde na aposentadoria e vale-cultura de R$ 112,50.

No ano passado, a categoria ficou de braços cruzados por 23 dias. Na ocasião, a paralisação foi encerrada após trabalhadores e empresas concordarem em um reajuste de 8%.

Do O Globo

Translate »