Freio nos gastos no exterior

compras exterior

A alta do dólar alterou de vez os planos dos brasileiros em viagens no exterior. Não que tenhamos deixado de pegar o avião para atravessar as fronteiras do país. Mas estamos passeando mais e gastando cada vez menos. Em outubro, as despesas dos viajantes lá fora caíram 52,67% na comparação com os US$ 2,1 bilhões do mesmo período de 2014. No mês passado, os brasileiros gastaram em viagens para fora do país US$ 1 bilhão, segundo os dados divulgados ontem pelo Banco Central. Foi o menor valor para meses de outubro desde o início da série histórica revisada, em janeiro de 2010.
O dólar nas alturas impacta diretamente nos preços das passagens e hotéis cotados em moeda estrangeira. Perfumes, roupas, eletrônicos e outros produtos – que antes eram uma pechincha e engordavam as malas dos viajantes – já não têm aquela vantagem toda. No acumulado dos dez primeiros meses de 2015, as despesas dos viajantes brasileiros no exterior ficaram em US$ 15,141 bilhões. Queda de 30,21% em relação ao período de janeiro a outubro do ano passado (US$ 21,69 bilhões). Esse também foi o menor valor para os dez primeiros meses de um ano desde 2010.
O desempenho das despesas dos viajantes é inversamente proporcional ao avanço da moeda norte-americana ao longo de 2015, que registra alta de 45% entre janeiro e outubro. E como não há perspectiva de mudança no curto prazo, os números finais do ano serão bem diferentes dos registrados em 2014. No ano passado, os gastos de brasileiros no exterior somaram US$ 25,5 bilhões, segundo o Banco Central – recorde para um ano fechado. Os aumentos tinham sido sucessivos nos últimos anos: US$ 21,2 bilhões em 2011; US$ 22,2 bilhões em 2012 e US$ 24,98 bilhões em 2013.
Já as receitas de estrangeiros em viagem no Brasil ficaram em US$ 453 milhões em outubro e em US$ 4,786 bilhões no acumulado de dez meses. Com esses resultados, o déficit na conta de viagens internacionais, formada por despesas de brasileiros no exterior e receitas de estrangeiros no Brasil, ficou em US$ 549 milhões, em outubro, e em US$ 10,355 bilhões. No mês passado, quando saiu o desempenho acumulado dos nove primeiros meses de 2015, o ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves, destacou que a valorização da moeda estrangeira era uma oportunidade para movimentar o mercado nacional.
Fonte: Diário de Pernambuco – Impresso

Translate »