Feriados salvam o mercado turístico

mala

Amanda Pereira chegou de uma viagem à Disney em março e se prepara para outra, a trabalho, no próximo mês (Foto: Marcos Viera/EM/D.A Press)

Um ano gordo em feriados e promoções das companhias aéreas está ajudando a convencer o brasileiro a viajar e representa fôlego ao mercado de turismo, que sentiu o freio da economia, a alta do dólar e a queda na procura por viagens internacionais. O feriado prolongado de Corpus Christi deve injetar R$ 144,1 milhões na economia de Minas Gerais. Entre os seis feriados avaliados, o recesso de junho fica atrás apenas do 12 de outubro, que vai movimentar R$ 150,8 milhões, segundo cálculos que acabam de ser divulgados pelo Ministério do Turismo. Apesar da proximidade, quem deixou para organizar a viagem na última hora vai encontrar ainda muitas oportunidades e até promoções no feriado.
A maior procura do brasileiro no feriado de junho é pelos destinos dentro do país e na América do Sul – para Chile e Argentina. “Esperamos ter nesse feriado um crescimento de até 10% frente ao ano passado”, diz Antônio da Matta, presidente da regional mineira da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav). Segundo ele, sem euforia, a procura pelo feriado de junho começou a esquentar e a perspectiva é que a venda de pacotes chegue a dobrar na reta final.
Foram excluídos do cálculo do Ministério do Turismo, o carnaval, a Semana Santa, o Natal e o réveillon. São seis feriados que juntos vão movimentar R$ 816 milhões na economia mineira: 21 de abril (Tiradentes, terça-feira), 1º de maio (Dia do Trabalho, sexta-feira), 4 de junho (Corpus Christi, quinta-feira), 7 de setembro (Independência do Brasil, segunda-feira), 12 de outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida, segunda-feira) e 2 de novembro (Finados, segunda-feira).
Gerente de lazer da Master Turismo, Alexandra Peconic, diz que espera vender 20% a mais no feriado de junho, frente ao ano passado, quando a Copa do Mundo, fez muitos brasileiros desistirem de viajar. Ela disse que as empresas aéreas estão lançando também promoções para incentivar as viagens curtas.
Cleiton Feijó, diretor Comercial da Nascimento Turismo, com sede em São Paulo e filial em Belo Horizonte, informa que as ofertas da empresa dobraram em relação ao ano passado e que ainda há 70% de disponibilidade, incluindo pacotes nacionais e internacionais.
A publicitária Ana Paula Vasconcelos vai visitar amigos argentinos, que conheceu em Jericoacora, no Ceará, no feriado de junho. Ela comprou as passagens para Buenos Aires há três meses, no valor de R$ 950, para ida e volta. “Percebo que há muitas ofertas. Talvez, se tivesse deixado para comprar este mês, pagaria até mais barato”, comenta.
Pedro Victer, sócio-proprietário da Pier Turismo, diz que as perspectivas para este ano é de um cenário melhor que o de 2014, embora ele não tenha uma projeção de crescimento até dezembro. Ainda fechando os resultados do feriado de primeiro de maio, ele considera que a demanda já mostrou reação e a perspectiva é que o brasileiro embarque para praias do Nordeste e cidades da América do Sul em junho.
SURPRESA RUIM A médica Amanda Pereira chegou de um passeio à Disney, em Orlando, nos EUA, em março. A viagem foi fechada com um ano de antecedência e a alta do dólar pegou sua família de surpresa. Amanda, que viajou com o marido e as duas filhas, gastou cerca de R$ 10 mil a mais que o planejado. No feriado de junho, ela vai viajar a trabalho para participar de um congresso. O pacote incluindo hotel e passagem aérea lhe custou R$ 1.600. “Achei bem caro. Há dois anos paguei R$ 1.100 pela mesma viagem.”
Amanda Pereira diz que a alta do dólar não está ajudando as viagens internacionais. “No fim do ano tenho férias, mas ainda estou avaliando se vou viajar”, pondera.
Minas Gerais atraiu mais de 101 mil turistas com destino a cidades do estado no feriado do dia 1º. Durante o recesso, foram movimentados R$ 113 milhões no estado. No país, essas viagens injetaram R$ 2,5 bilhões na economia. No próximo feriado de junho, o número de viajantes buscando destinos mineiros deve crescer para 129,7 mil, segundo o Ministério do Turismo.
 
Fonte: Estado de Minas – Impresso

Translate »