Companhias aéreas e operadoras de turismo oferecem desconto de até 90% durante o Mundial

A empresária Cláudia Simões espera com ansiedade a abertura da Copa, no dia 12 de junho, mas o motivo não tem nada a ver com futebol. Na mesma data, ela embarca com um grupo de 22 pessoas, entre familiares e amigos, para duas semanas de férias num resort em Punta Cana, no Caribe. Com expectativa mais alta do que a demanda verificada até agora, o setor de turismo começa a oferecer descontos em preços de passagens, pacotes e diárias para férias no Brasil e no exterior. Em alguns casos, já é possível encontrar bilhetes com desconto de até 90%.
— Tenho filhos em idade escolar, que estarão de férias durante a Copa. Eu e meu marido não gostamos do tumulto dessa época do evento no Brasil. Então decidimos viajar. Consegui comprar por um preço bom — conta Cláudia.
No setor de turismo, a percepção é que os preços não terão fôlego para subir mais.
— Houve uma pressão de demanda muito alta, o que puxou os preços para cima. Com isso, o consumidor deixou de comprar viagens — diz Valter Patriani, vice-presidente de Produtos, Vendas e Marketing da CVC. — Agora, com a liberação de bloqueios nos hotéis, sobretudo os feitos pela Fifa, e ajuste na oferta das companhias aéreas, os preços estão caindo.
Mudança no perfil do passageiro
Outro fator que pesou na demora para essa acomodação de preços, continua Patriani, foi a data do sorteio dos jogos da Copa, no fim de 2013.
— As compras de viagens para junho e julho estão atrasadas. Ganharam fôlego este ano e estão crescendo — afirma.
Na Nascimento Turismo, o calendário do sorteio pode ter influenciado o desempenho do 1º trimestre, que registrou alta de 54% nas vendas de viagens para o mês da Copa. Segundo Cleiton Feijó, diretor comercial, a expectativa de crescimento para o evento, sobre 2013, é mais moderada, de 14% a 16%.
No último fim de semana, TAM e Gol fizeram promoções de passagens em voos nacionais e internacionais, para embarques em junho e julho. No caso da Gol, a oferta garantia que o bilhete de volta custaria apenas R$ 39. A TAM ofereceu desconto de até 90% e explicou que está adaptando sua malha aérea para as operações no período. Vale lembrar que o planejamento das companhias aéreas inclui um aumento significativo na oferta de voos durante o Mundial. A TAM terá 750 novos voos no Brasil e 350 para o exterior.
Apesar da expectativa de atração de turistas para os jogos da Copa, em 12 cidades-sede, o setor de turismo tenta se adaptar a uma mudança no perfil de passageiros. Durante os meses de junho e julho, haverá redução quase total do turismo corporativo, que corresponde a 60% da clientela das empresas aéreas. Isso significa mudança não somente no valor da passagem, como também nos horários de voos mais procurados. Na avaliação da TAM, o período será marcado por picos de demanda e datas de baixa procura.
— Será difícil gerenciar um período que vai mesclar datas de muita ou pouquíssima demanda. Nos sistemas de reserva, vemos que nem todos os voos extras estão disponíveis. Mas já há ajuste de valores, com a volta dos descontos — conta Leonardo Mignani, sócio da operadora carioca Air International.
As ofertas se multiplicam entre as operadoras. No último fim de semana, a CVC fez promoção com desconto de até 70% em passagens aéreas e de até 30% em pacotes para viagens nacionais e internacionais em junho e julho. Um pacote para Fortaleza, por exemplo, com duração de oito dias, incluindo passagens aéreas e hotel, foi vendido a partir de R$ 1.648 por pessoa, em quarto duplo. O preço, para saídas de São Paulo nos dias 19 e 20 de junho, em plena Copa, tinha 35% de desconto.
Para quem não quer acompanhar a seleção de perto, entre os destinos mais procurados estão Bahia e Serra Gaúcha e Caribe e Estados Unidos, nas viagens internacionais, afirma Edmar Bull, vice-presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagens (Abav):
— Há espaço para atender quem quer viajar nos meses da Copa. Havia previsão de receber muita gente, o que não se concretizou. Os preços estão melhores. Acredito que vamos igualar ou superar as vendas de julho de 2013.
‘Sem dificuldade para fazer reserva’
Apesar do cenário de revisão de expectativas, a Embratur mantém a previsão de receber 600 mil estrangeiros durante a Copa. Segundo o presidente em exercício, Vicente Neto, o país corre o risco de se apresentar como um destino caro para o turista.
— Tivemos uma série de reuniões com empresas aéreas e hoteleiros, para evitar a cobrança de tarifas abusivas no Mundial. E os dois setores aderiram a nossa campanha — diz Neto. — Com a devolução de diárias bloqueadas pela Fifa, os hotéis poderão negociar diretamente com o consumidor. Será mais atraente para brasileiros e estrangeiros.
Se a expectativa agora é de tarifas mais em conta, no mês passado, o preço das passagens deu um susto no consumidor. Segundo o IBGE, os bilhetes ficaram 26,49% mais caros e contribuíram para influenciar a inflação.
— A alta foi puxada sobretudo pelo carnaval tardio, em março. É preciso lembrar, contudo, que em fevereiro houve queda de 20,55%. Então é um retorno — explicou Eulina Nunes dos Santos, coordenadora de índices de preços do IBGE.
A jornalista Adriana Enne tinha planos de viajar em outubro com a família. Por compromissos profissionais do marido, foi preciso antecipar as férias.
— Vamos para a Europa, embarcando no dia seguinte à abertura da Copa. Poderia ser uma data mais difícil, mas não tivemos qualquer dificuldade para fazer as reservas — diz ela.
Por Glauce Cavalcanti, do O Globo.

Translate »