Brasil cai para 7o em investimento estrangeiro; veja a lista

ranking_investimentos
O Brasil recebeu US$ 63 bilhões em investimento estrangeiro direto (IED) em 2013, menos do que os US$ 65 bilhões de 2012.
Os dados foram divulgados hoje em um relatório da UNCTAD, órgão da ONU para o comércio e desenvolvimento.
Mesmo em queda, a posição do Brasil continua respeitável, à frente de países como Singapura, Reino Unido e Austrália.
O investimento estrangeiro direto é todo aquele dinheiro que é aplicado na estrutura produtiva de um país, seja pela infraestrutura, pela criação de empresas ou pela participação acionária em empresas já existentes.
O texto nota que a diminuição do fluxo para o Brasil deve ser vista no contexto de anos de crescimento sólido que levaram o IED no país para “altas históricas”.
Ainda que pequena, a queda de 3,9% foi suficiente para levar o Brasil da 5a para a 7a posição no ranking mundial.
CENÁRIO GLOBAL
Isso aconteceu porque o IED global aumentou 11% em relação ao ano anterior e chegou a US$ 1,461 trilhão, nível próximo da média antes da crise financeira de 2008.
Nos BRICS, o aumento foi de 21%. A parcela do investimento global total que vai para o grupo ficou em 22% – o dobro do que era no pré-crise.
Na América Latina, o aumento em relação a 2012 foi de 17%. No Mercosul, houve queda de 2,3% – puxada pelo Brasil e por tombos de 13% na Argentina e 32% no Paraguai.
A UNCTAD prevê que o investimento estrangeiro continue crescendo em 2014 e 2015 para US$ 1,6 trilhão e US$ 1,8 trilhão, respectivamente.
Por João Pedro Caleiro, de Exame.com.

Translate »