Presidente da JAC não crê em expansão de carros elétricos no Brasil

A JAC conta com uma gama bastante renovada no Salão do Automóvel de São Paulo em 2014, entre eles, um modelo elétrico, o IEV. No entanto, a montadora não tem intenção de vender o sedã no mercado brasileiro. Mais do que isso, Sergio Habib, presidente da marca no País, não acredita na expansão do segmento de carros elétricos por aqui.
“Nós temos um programa de incentivo ao etanol muito forte no Brasil, é um setor que proporciona milhares de empregos. Além disso, nos próximos tempos teremos petróleo sobrando, em reserva. Por outro lado, temos cada vez menos energia elétrica limpa”, disse Habib, fazendo referência ao processo de recarga de baterias dos carros elétricos.
Em relação ao restante da gama, a JAC confirma a tendência de introduzir motores flexíveis. “Até pouco tempo atrás, a porcentagem de veículos flex que vendemos no Brasil era de 15%. A partir de 2015, essa quantidade saltará para 95%”, revelou.
Outro padrão seguido pela marca é a comercialização de utilitários esportivos por aqui, como T5 (chegará em meados de 2015) e T6 (já disponível por R$ 69.900). “Temos dados que mostram que 50% do mercado norte-americano é dividido por SUVs e crossovers. Na China, essa porcentagem é de 20%. Aqui no Brasil, só 7%. Portanto, há um caminho gigantesco de crescimento”, explicou o presidente.
Por Rodrigo Furlan, de Quatro Rodas.

Translate »