Salão do Automóvel consolida o Brasil como grande mercado de veículos

O Salão do Automóvel de São Paulo chegou ao seu fim. A capital paulista só volta a ser palco do evento daqui a dois anos. No entanto, há razões de sobra para comemorar. Fechadas as cortinas do maior evento automotivo do país, chega a hora de fazer o balanço. E os dados apontam o sucesso da edição de 2014, o que consolida o Brasil como um dos maiores mercados de automóveis do mundo.
Ao todo, 84 expositores estiveram presentes no Pavilhão do Anhembi, representando 41 marcas. Ao todo, foram 547 veículos expostos, o que constitui um aumento de quase 9% em relação à última edição, realizada em 2012. Foram 150 lançamentos expostos, e muitos deles devem não apenas marcar presença nas ruas e estradas do Brasil, como também figurar nas linhas de produção das novas fábricas instaladas no país.
O presidente da Abeifa (Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores), Marcel Visconde, considerou o evento um sucesso para as marcas que começam a se inserir no Brasil: “Creio que todas as marcas filiadas que participaram do Salão do Automóvel de 2014 têm um balanço positivo para fazer. A exposição obtida certamente foi benéfica tanto para as marcas tradicionais quanto para aquelas que estão se instalando no Brasil, e que ainda estão construindo suas identidades junto ao público. Encerrada a feira, começa o trabalho para que os ganhos institucionais e de imagem perdurem e revertam em bons negócios”.
Mais uma vez, a cidade também ganhou com a realização do Salão. De acordo com levantamento da SPTuris, foram gerados R$ 280 milhões em São Paulo. Um terço dos visitantes eram de fora da cidade, o que também movimentou o setor de turismo.
Outro ponto marcante desta edição foi o aumento do público feminino. Foram 240 mil mulheres que visitaram a feira ao longo de seus 10 dias de realização.
Os SUVs compactos ganharam destaque, ampliando a oferta do segmento e trazendo, cada um, uma novidade que o diferencia dos demais. Jeep Renegade, Honda HR-V e Peugeot 2008 foram alguns dos que tiveram mais repercussão entre os visitantes.
Mas nem só dos aventureiros se fez o Salão: os supercarros também encheram os olhos de quem passava pelos estandes, fazendo com que todos parassem para olhar. Porsche 918 Spyder, Ford Mustang e Mercedes AMG GT provaram o gosto do brasileiro pelos esportivos, mesmo que o preço ainda não os torne acessíveis.
E, enquanto uns babavam com os carrões, muitos outros visitantes viam em estandes de marcas como Volkswagen, Chevrolet e Fiat possíveis aquisições para o futuro. Junto destas marcas, mais consolidadas no mercado brasileiro, vieram novatas brigando por sua fatia no mercado dos populares. Chery, Nissan e JAC Motors são algumas marcas que devem expandir suas vendas nos próximos anos.
Por fim, os carros-conceito e os elétricos deram uma ponta do que será o futuro dos automóveis no Brasil, com foco na sustentabilidade. Vinte e cinco carros, entre híbridos e elétricos, estiveram expostos em São Paulo. Na próxima edição a expectativa é que este número seja ainda maior, bem como a quantidade destes carros nas ruas do país.
Conectividade
Foram muitas as de atrações interativas para os visitantes. O jogo oficial da Stock Car, os simuladores de corrida, a pista de Hot Wheels, o espaço dos Super Carros e a réplica do carro DeLorean do filme De Volta para o Futuro fizeram grande sucesso. A Chevrolet promoveu shows com cantores como Fernanda Takai, Paulo Miklos e Paula Lima. Os estúdios de rádio instalados dentro do pavilhão também trouxeram artistas famosos e celebridades. Esportistas como Felipe Massa e Gabriel Medina também distribuíram autógrafos para os visitantes.
Por Caio Wallerstein, do Diário de Pernambuco.

Translate »