Ministério dos Transportes promete continuidade

antonio

De Valor Econômico

O novo ministro dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues, assumiu o cargo falando em continuidade na gestão da pasta, que é comandada por seu partido, o PR, desde o primeiro governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003. Sem familiaridade com o setor, o ministro evitou a imprensa e teceu elogios a aliados políticos presentes, em especial ao presidente do PR, senador Alfredo Nascimento, que foi demitido do Ministério dos Transportes em julho de 2011.
As passagens pela Empresa Municipal de Transportes Urbanos (EMTU) e pelo Metrô de São Paulo foram mencionadas por ACR – como é conhecido o ministro – para justificar sua experiência na área. Ele também disse ter tratado “de vários assuntos referentes ao setor de transportes” durante o período de dois anos em que substituiu Marta Suplicy no Senado, já que era o primeiro suplente da petista, que ocupou o Ministério da Cultura entre outubro de 2012 e novembro do ano passado.
Em seu discurso, ele se comprometeu a dar continuidade ao programa federal de concessão de rodovias e ferrovias e a levar a logística brasileira “a um novo patamar”. O ministro, entretanto, evitou responder a quaisquer questionamentos sobre seus planos à frente da pasta. Ao fim da solenidade de posse, ele foi abordado por jornalistas, mas sua assessoria adiantou que o ministro faria um pronunciamento e que não responderia perguntas. Na breve fala, disse apenas que seu trabalho seria “de continuidade” e que seu lema “é trabalho”.
ACR também não anunciou os nomes de sua equipe. Disse que ainda não definiu quem será seu secretário-executivo, mas adiantou que indicará técnicos para o comando do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e da Valec. Os dois órgãos são os principais braços de investimento do ministério.
Também é desconhecido o destino do ex-ministro Paulo Passos. Existe a possibilidade de que assuma o comando da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), mas não há confirmação. No discurso de despedida, ele ressaltou os feitos de sua gestão, especialmente o programa de concessões.
Antes de assumir oficialmente o cargo, ACR já participou de algumas reuniões com a nova equipe. Hoje, vai assistir a uma apresentação da Empresa de Planejamento (EPL), criada em 2012 para desenvolver projetos de logística como, por exemplo, o trem-bala.
Um dos principais desafios do novo ministro é destravar a versão ferroviária do pacote de concessões. Com um modelo considerado complexo pelo setor privado, o programa ainda não saiu do papel. Apenas um trecho foi aprovado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e a expectativa é que seja licitado este ano.
Antes de se aprofundar nos assuntos da pasta, o novo ministro dos Transportes fez questão de homenagear seus padrinhos políticos. No discurso de posse, ele deu ênfase ao “sacrifício” de Alfredo Nascimento, que deixou o Senado para concorrer a uma cadeira de deputado federal no ano passado com a missão de aumentar a bancada do PR na Câmara dos Deputados.
Fonte: ABLA

Translate »