Funcionários da GM mantêm greve em São José dos Campos

Funcionários da General Motors (GM) de São José dos Campos (SP) decidiram na manhã nesta segunda-feira continuar com a greve iniciada na última sexta-feira (20). A paralisação é contra a demissão de 794 funcionários.
De acordo com o sindicato dos metalúrgicos da região, os trabalhadores permanecem dentro da fábrica, mas sem produzir. No local são feitos cerca de 300 veículos por dia, dos modelos S10 e Trailblazer, além de motores e transmissões.
A GM informou que vai se pronunciar apenas depois da audiência de conciliação, marcada para as 15h30 da terça-feira, no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas.
Na sexta-feira, a empresa afirmou que foi pega “de surpresa” e que sua proposta não foi apresentada completamente aos funcionários. Com isto, a GM ajuizou dissídio coletivo no TRT, começando uma batalha legal.
Na última reunião, a GM propôs a abertura de um novo lay-off por dois meses para 798 trabalhadores, e todos seriam demitidos após o período, de acordo com o sindicato. A entidade afirma que a montadora fica legalmente impedida de realizar demissões enquanto há greve.
Os representantes dos trabalhadores concordam com a realização do lay-off, desde que não ocorra nenhuma demissão.
Crise
A greve em São José dos Campos é a mais recente em uma onda de ações no setor automotivo no Brasil, que cortou 7% dos trabalhadores no ano passado, com a redução da produção.
O sindicato, que terá eleições na próxima semana, enfrentou várias vezes a GM, desde que a montadora reduziu folhas de pagamento na unidade local de cerca de 7.500 trabalhadores em 2012 para 5.200 atuais.
Do G1.

Translate »