Brasil e Argentina renovam acordo para comércio de veículos

O acordo comercial automotivo firmado entre Brasil e Argentina foi renovado até 30 de junho de 2015. O texto entra em vigor no próximo dia 1º de julho e prevê participação mínima da cada país no mercado parceiro. No entanto, a vantagem comercial brasileira diminuiu em comparação ao texto anterior.
O chamado sistema flex prevê que os dois países possam vender carros e autopeças entre si sem a cobrança de impostos. Agora, para cada US$ 1,5 milhão que o Brasil vender para a Argentina, nosso país é obrigado a comprar de volta o equivalente a US$ 1 milhão. Caso as compras excedam os limites estabelecidos, os impostos voltam a ser cobrados, mas em uma alíquota de 35% do total.
No entanto, o texto anterior, expirado em 2013, era mais favorável ao Brasil. Naquela época, nosso país podia vender US$ 1,95 milhão para nossos hermanos a cada US$ 1 milhão importados deles. Mesmo assim, segundo o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, o novo acordo “garante previsibilidade e fluidez no comércio bilateral, além de assegurar margem de conforto para a indústria brasileira”.
Renovação em debate
Além de determinar as regras de exportação e importação entre os países até meados de 2015, o acordo conta com um anexo que já estabelece bases para as discussões do acordo que passará a vigorar ao fim desse período. Segundo o Ministério, há entre os temas discutidos “novos requisitos de origem para favorecer o desenvolvimento competitivo do setor de autopeças na região, a aplicação de normas técnicas comuns e a elevação dos níveis de segurança dos veículos produzidos nos dois países”.
Outro anexo que faz parte do acordo prevê que a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e o Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças) deverão manter participação mínima de 44,3% no mercado de veículos argentino. Já as associações argentinas Adefa, Afac e Adimra devem cumprir participação mínima de 11% no nosso mercado.
Durante o mês de maio, o Brasil exportou 35.162 veículos, sendo 32.764 veículos leves (22.484 automóveis e 10.280 comerciais leves), 1.590 caminhões e 808 ônibus para todo o mundo. Em 2014, esses números totalizam 145.722 unidades (92.761 automóveis, 41.882 comerciais leves, 8.189 caminhões e 2.890 ônibus. Nosso país fechou 2013 tendo exportado 566.299 veículos, sendo 397.218 automóveis, 134.294 comerciais leves, 25.019 caminhões e 9.768 ônibus.
Do Autoesporte.

Translate »