BH teve 2 veículos roubados ou furtados por hora no 1º trimestre do ano

Arma na cabeça, gritos, ameaças e, em apenas alguns minutos, o carro saía das mãos do dono para ser usado em uma fuga por dois bandidos. O horror vivido este ano pelo contador Ricardo Ramos de Oliveira, de 28 anos, é parte de uma estatística alarmante em Belo Horizonte: a cada hora, quase dois veículos são roubados ou furtados na capital mineira. Somente no primeiro trimestre de 2014, foram 3.909 casos, segundo dados da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), com médias superiores às registradas em 2013 e 2012. Em relação ao primeiro trimestre do ano passado, houve aumento de 20% – foram 3.258 casos nos três primeiros meses de 2013.
De janeiro a março deste ano, foram registradas 43,4 ocorrências pela polícia diariamente. A média é bem maior que a do mesmo período do ano passado, quando 36,2 casos por dia chegaram ao conhecimento dos investigadores (3.258 no total), e que a de 2012, quando 29 veículos por dia foram alvo de criminosos (2.606 casos em janeiro, fevereiro e março). No total, em 2013 e 2012, houve 13.845 e 10.787 ocorrências, respectivamente.
Os números também impressionam e mostram tendência de alta quando se analisa os dados relativos ao estado. O primeiro trimestre foi marcado por 15.068 roubos e furtos de veículos em Minas Gerais – bem maior que a quantidade registrada em 2013 (11.364) e quase o dobro do que houve dois anos atrás (8.914), no mesmo período. Por dia, isso representa 167 carros e motos tomados pelos bandidos entre janeiro e março deste ano. Durante o ano passado, essa média ficou em 137 e, em 2012, em 109.
Legislação
Uma esperança para que as investigações desses casos avancem é a lei federal que regula e disciplina a atividade de desmanche de peças de veículos no país. A nova legislação, sancionada quarta-feira passada pela presidente Dilma Rousseff, determina que o registro de todas as peças que forem retiradas e as informações sobre a destinação final delas – se será usada para reposição ou para sucata – constem num banco de dados. A implementação e a gestão desse banco serão feitas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que vai regulamentar a lei e detalhar sua execução. As novas regras entrarão em vigor daqui a um ano.
Ela veio resolver uma pendência em Minas, onde o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MG) aguardava, desde 2008, a regulamentação da Lei 17.866, de novembro daquele ano, que dispõe sobre o controle de desmonte de veículos no estado. De acordo com a legislação, o desmanche só seria autorizado pelo Detran, ou órgão credenciado, em caso de perda total do veículo ou outras situações que levem a esse fim. A exemplo da lei nacional, ela também previa que as peças devem também ser todas cadastradas para identificação.
O chefe da Delegacia Especializada de Investigação a Furtos e Roubos de Veículos Automotores, Adriano Assunção, destaca que a lei tem poder de disciplinar essa questão em todos os estados, padronizando o procedimento e as diretrizes para todos os órgãos de trânsito. No caso de Minas, as empresas aptas ao serviço terão credenciamento junto ao Detran e deverão praticar a atividade de forma exclusiva. “Todo veículo que passar pelo desmanche terá a certidão de baixa, com prazos específicos para a desmontagem e, na sequência, as informações serão agregadas ao banco de dados nacional. Qualquer peça que seja produto de crime e esteja à disposição do consumidor será identificada”, afirma.
“Isso inibe muito a atividade criminosa, porque hoje as peças são colocadas no mercado sem fiscalização”, relata o delegado. Adriano Assunção destaca uma série de operações feitas em BH em áreas conhecidas por abrigar desmanches irregulares, como a Avenida Vilarinho, em Venda Nova, a Pedro II, na Região Noroeste, e o Bairro Tirol, no Barreiro. As ações foram feitas em conjunto com a Polícia Militar, prefeitura, Bombeiros e Receita estadual, com o objetivo de identificar também outras irregularidades. “Em quase todos os locais averiguados houve algum tipo de irregularidade e prisões em flagrante por peças e veículos roubados”, diz.
Tecnologia
Outra estratégia de combate a esse tipo de crime no estado, divulgada semana passada, é o sistema de reconhecimento ótico de caracteres, tecnologia capaz de identificar automóveis furtados e roubados de forma imediata. O equipamento funciona por meio de radares que leem a placa, o modelo e a cor dos carros em movimento, cruzando essas informações com a base de dados do Detran. Assim, será possível localizar, em tempo real, automóveis que estejam circulando de forma irregular, mesmo aqueles que já tenham sido adulterados ou clonados. Inicialmente, os trabalhos serão concentrados em 30 pontos de BH e cidades da região metropolitana, que vão receber a fiscalização simultânea até o fim de agosto. “Esse equipamento será fundamental para os trabalhos de combate a esse tipo de crime e na prisão dos autores”, ressalta Adriano Assunção.
Medidas para reduzir esse tipo de crime são cobradas por vítimas como o contador Ricardo Ramos, que ainda espera reaver o Palio prata. Ele conta que o automóvel foi levado quando chegava na casa da avó da namorada, no Bairro Alto dos Pinheiros, na Região Noroeste de BH. “Foi tudo muito rápido. Quando minha namorada voltou de dentro da casa, dois homens se aproximaram e puseram arma na nossa cabeça. Pegaram minha carteira, relógio e levaram o carro, que estava sem seguro desde dezembro”, relata.
Graças às câmeras de segurança das casas vizinhas, foi possível identificar que mais comparsas davam apoio à dupla de assaltantes, que, antes de cometer o crime, havia dado a volta no quarteirão duas vezes num Gol preto, observando as vítimas. “Com a pressa, eu não percebi a movimentação. Na terceira volta, pararam o carro na esquina, e dois homens desceram”, conta. As imagens foram entregues à polícia, mas o caso ainda não foi solucionado. Ricardo descreve o que sente sobre o episódio: “Na hora, senti alívio por não terem feito nada de mais grave conosco. Agora, é uma mistura de desapontamento pela impunidade”.
Fique atento
Dicas da PM para diminuir chances de ter o carro roubado
» Preste atenção ao aproximar-se do veículo. Caso veja pessoas ou carros suspeitos, dirija-se a um local seguro e, de imediato, ligue para a polícia.
» Procure estacionar seu veículo em locais claros, com aglomeração de pessoas, em vez de deixar o carro em lugares ermos e com fraca iluminação.
» Ao parar em cruzamentos com semafóros, certifique-se de que seu veículo está com os vidros fechados e portas travadas. Mantenha o celular com bateria carregada.
» Se você estiver sendo seguido, vá para um lugar seguro, com movimento, e se possível, próximo a um posto da PM. Se conseguir, ligue para o 190.
» Em algumas situações, ladrões de carro simulam uma colisão. Suspeitando dessa ação, não saia do seu veículo sem a devida segurança. Ligue o pisca-alerta, acione o 190 e aguarde a viatura da PM.
» No momento em que você entrar em seu carro, trave as portas e vá embora rápido.
FONTE PMMG
Por Junia Oliveira e Guilherme Paranaiba, do Jornal Estado de Minas.

Translate »