Só 26% dos carros à venda no Brasil recebem selo de baixo consumo

Dos 583 carros (entre modelos e versões) de 36 marcas avaliados pelo Inmetro no programa de etiquetagem energética (PBE) de 2015, apenas 152 (26%) obtiveram o selo de eficiência energética (Conpet), que indica baixo consumo de combustível e nível adequado de emissões poluentes e de gás carbônico. Os resultados foram divulgados nesta quarta-feira (21).
Em 2014, 29% receberam o selo (174 em 599 avaliados, também de 36 marcas), o que significa que, na média, os carros vendidos no Brasil tornaram-se menos eficientes de um ano para outro. (O resultado de 2013 foi pior: 24,8%.)
Esta é a 7ª edição do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular (PBEV). A adesão das montadoras é voluntária, ou seja, cada uma decide se vai fornecer seus carros para as medições. O primeiro PBEV, em 2008, teve apenas cinco participantes.
Todos os 587 modelos/versões avaliados pelo Inmetro poderão trazer em suas unidades zero-quilômetro a etiqueta que os classifica (de A, melhor, a E, pior) quanto à eficiência energética na sua categoria, além de fornecer informações sobre consumo (km/l) urbano e rodoviário e emissões. É a mesma etiqueta encontrada em geladeiras, lâmpadas e outros produtos. A fixação não é obrigatória.
Já o selo Conpet, que é patrocinado pela Petrobras (parceira do Inmetro no PBEV), só é liberado para os mais eficientes no ranking geral e em cada uma das 12 categorias: subcompactos, compactos, médios, grandes, extragrandes, carga derivado, comercial, utilitário esportivo compacto, utilitário esportivo grande, fora-de-estrada, minivan e esportivos.
Do Uol.

Translate »